É possível ter satisfação no emprego?

O curta argentino “El Empleo” (2008), de Patricio Plaza e direção de Santiago Grasso, tem percorrido o mundo e já ganhou mais de cem prêmios internacionais.

A animação tem um enfoque bastante crítico e suscita questionamentos como o valor do trabalho, do emprego, da família e as relações interpessoais que desenvolvemos com as pessoas.

O emprego, principalmente, nos tempos atuais em que as pessoas transportam seus acessórios eletrônicos portáteis com tanta facilidade, ao mesmo tempo faz com que os empregados mantenham-se monitorando correspondências quase em tempo integral e carreguem suas emoções de ansiedade de casa para o trabalho e do trabalho para casa, estabelecendo, assim, uma rotina, no mínimo, desgastante.

Diante das transformações que estão ocorrendo no mundo do trabalho é fundamental rever as funções e os papéis que desempenhamos e, ainda, o quanto vale a pena ter um emprego que gere insatisfação, simplesmente, pela segurança de pagar as contas sem avaliar o preço da “vida que passa”.

O processo de coaching provoca algumas indagações internas antes que o coachee, simplesmente, arrume ou troque de emprego sem um planejamento e análise dos valores essenciais de cada um: “o que, realmente, queremos e onde podemos e devemos investir nossos talentos e competências”.

Assista o curta e registre seus comentários.

    Leia também:

Perdendo ou aproveitando as oportunidades? – http://blog.adrianalombardo.com/?p=2042
Será que você está procurando no lugar correto? – http://blog.adrianalombardo.com/?p=1717
L.E.R. ou ler? Que tipo de qualidade de vida você quer? – http://blog.adrianalombardo.com/?p=1660
Qual é o seu propósito? – http://blog.adrianalombardo.com/?p=997
Frustração: um passo atrás para novos rumos – http://blog.adrianalombardo.com/?p=576

2 comentários sobre “É possível ter satisfação no emprego?

  • O retrato vivo do capacho.
    Uma rotina terrível!!!
    Isto só pode ser um emprego mesmo e não um trabalho.
    Todos devemos trabalhar naquilo que mais dá prazer e ser respeitado.
    Para isto devemos nos preparar sempre…
    Quanto mais nos valorizarmos o mundo nos valoriza.
    Boa apresentação. Parabéns!
    Mammy

  • Eh bem isso, as pessoas, nos, nos acomodamos com situações ridículas acreditando piamente que este seja o nosso lugar. Sou cúpula de abajur. Sem contestar! eh assim que deve ser!
    Medo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *