Tomar ou não a vacina: eis a questão

Artigo de opinião: As vacinas contra o Coronavírus no mundo, as ações de imunização, e o medo sobre tomar ou não a vacina.

Muitas vezes você toma decisões inadequadas na vida, seja por desinformação, seja por falta de acesso a alguns dados relevantes complexos ou publicados em outros idiomas, seja porque não confia mais nas fontes. Desse modo, diante da urgência em se falar e decidir sobre tomar ou não alguma vacina contra o Coronavírus, embora eu não seja uma médica ou uma profissional formada na área da saúde, fiz questão de pesquisar sobre as opções e tentar ajudar não somente alguns dos meus clientes ao redor do mundo, bloqueados sem saberem qual seria a melhor decisão a ser tomada; mas qualquer pessoa, a decidir, a partir de informações neutras.

As vacinas contra o Coronavírus no mundo

Desde o impacto da pandemia do coronavírus, em que os números de casos chegam a 92.313.199, e o de mortes atingiu 1.977.893 no mundo, até a manhã desta quinta-feira (14 de janeiro), várias empresas farmacêuticas e centros de pesquisa estão trabalhando dia e noite para descobrir uma vacina que proteja a população desse vírus.

Segundo o New York Times, “os pesquisadores estão testando atualmente 65 vacinas em testes clínicos em humanos, e 20 já chegaram aos estágios finais de teste. Pelo menos 85 vacinas pré-clínicas estão sob investigação ativa em animais”.

Nessa corrida, chegou na frente a empresa alemã BioNTech com a Pfizer, sediada em Nova Iorque, apresentando a vacina Comirnaty, cuja eficácia é 95%. A segunda aprovada pela Food and Drug Administration (FDA) é a mRNA-1273, da Moderna, sediada em Boston, com eficácia de 94.5%. Ambas possuem a nova tecnologia de RNA mensageiro, que costuma ser mais eficaz, porém requer mais cuidados no armazenamento.

Uma das vacinasque gerou questionamento na fase de testes, principalmente no Brasil, foi a AZD1222 (também conhecida como Covishield), desenvolvida em parceria entre a Universidade de Oxford e a empresa AstraZeneca, sediada em Cambridge. Isso porque foi divulgado que um voluntário médico brasileiro de 28 anos, João Pedro Feitosa, faleceu por complicações da Covid-19. No entanto, segundo várias fontes, ele tomou um placebo, ou seja, não recebeu uma dose do imunizante. De todo modo, não houve suspensão do estudo, e a vacina segue considerada uma das melhores opções mundiais.  

As primeiras ações de imunização

Mesmo antes de virar o ano, em 2020, alguns países já começaram a receber e tomar as vacinas: Reino Unido, Israel, Noruega, Sérvia, Estados Unidos, Canadá e Rússia são alguns entre os mais de 50 países que iniciaram suas campanhas de vacinação.

Um ano após o primeiro surto conhecido de Covid-19 na China, o Reino Unido começou, em 8 de dezembro de 2020, a imunizar as primeiras pessoas. A meta, segundo o Secretário de Saúde britânico, Matt Hancock, é vacinar os mais vulneráveis até meados de fevereiro e de oferecer a primeira dose para todo adulto do país até o outono do hemisfério norte. O Reino Unido encomendou 100 milhões de doses da vacina de Oxford junto à fabricante AstraZeneca, o suficiente para vacinar 50 milhões de pessoas. Segundo o Governo, esse número de doses, combinado com o que o Reino Unido já comprou da Pfizer, garantirá a imunização de toda a população.

Nos Estados Unidos, a Comirnaty (BioNTech/Pfizer) começou a ser aplicada em agentes de saúde, e o presidente eleito, Joe Biden, fez questão de receber sua injeção em procedimento transmitido ao vivo, para incentivar a população.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, que também optou por se vacinar ao vivo, garantiu um acordo com a empresa farmacêutica Pfizer, que permitirá a todos os cidadãos do país com mais de 16 anos receberem a vacina Comirnaty até o fim de março. A Noruega, a Sérvia e o Canadá começaram a vacinação contra a Covid-19, utilizando a mesma vacina. Já a população russa está sendo vacinada com o imunizante Sputnik V, desenvolvido pelo Centro de Epidemiologia e Microbiologia Nikolai Gamaleya. A Argentina também comprou doses dessa vacina, sendo o único país, além da Rússia, além da Rússia e da Belarus, ex-república soviética, a aplicá-la ainda durante as fases de testes.

A República de Palau, na Oceania, optou pela compra da mRNA-1273, da Moderna, e começou recentemente a campanha de vacinação. A proposta é vacinar 80% da população, embora não tenha havido nenhum caso ativo de Covid-19 na ilha.

A Indonésia, o país mais afetado pelo Coronavírus no sudeste asiático, iniciou a vacinação essa semana. Seguindo a tendência global, o presidente Joko Widodo, também, foi o primeiro a tomar. A campanha segue até o final de março, quando pretendem ter vacinado com a CoronaVac dois terços dos 270 milhões de habitantes. A Turquia também investiu na CoronaVac e começou a fase de aplicação hoje (14). O Ministro da Saúde local, Fahrettin Kocca, foi a primeira pessoa a receber a vacina chinesa.

Os números de países que já iniciaram as suas campanhas de vacinação se expandem a cada hora, e tem crescido a tendência global de autoridades do país desejarem dar o exemplo para a sociedade e transmitir confiança quanto à necessidade de imunização.

A escolha das vacinas pelos países se dá por disponibilidade e preço. Os preços das vacinas vão de 3 dólares por dose, preço estipulado para a AZD1222, passando por 10 dólares, preço da Sputnik V, chegandoa37 dólares, como é o caso da mRNA-1273, da Moderna. A definição do preço da vacina se dá não apenas pela qualidade e tecnologia utilizada, mas pelos custos na produção dos imunizantes.

Embora a vacina Comirnaty, da BioNTech com a Pfizer, ter sido a mais comprada e aplicada no mundo, houve muito investimento prévio, o que a tornou cara e inacessível para alguns países. Além disso, o fato dela ter sido devidamente aprovada na fase 3, antes das demais, a posicionou como a primeira opção. No entanto, completadas as fases de testes, as vacinas desenvolvidas pela Comirnaty, da Pfizer-BioNTech, com percentual de  eficácia de 95%; mRNA-1273, da Moderna, com percentual de eficácia de 94,5%; Sputnik V, do Gamaleya, com percentual de eficácia de 91,4%; AZD1222, da Oxford-AstraZeneca, com percentual de eficácia de 62 a 90%, conforme a dose; a CoronaVac, da Sinovac e Butantan, com percentual de eficácia de 50.38%, foram já distribuídas e aplicadas em outros países. Outras vacinas como da Vector Institute, Novavax, Sinopharm, Sinopharm-Wuhan, algumas com percentual de eficácia ainda desconhecidos, já estão na fase 3 e muitas outras novas opções estão sendo, paralelamente, desenvolvidas. 

A vacina no Brasil

Na corrida para frear a contaminação de pessoas pelo novo Coronavírus, o Instituto Butantan, um centro de pesquisa biológica localizado no bairro do Butantã, na zona oeste da cidade de São Paulo, em parceria com a biofarmacêutica chinesa Sinovac, desenvolveu a CoronaVac.

De acordo com o diretor de pesquisa do Instituto, Ricardo Palácios, os estudos apontaram que a eficácia geral da vacina é de 50,38%. O dado foi obtido com testes feitos em 12.508 voluntários no país, todos profissionais de saúde. Esse dado se refere à taxa global de eficácia da CoronaVac, ou seja, os desfechos primários, que incluem todas as pessoas que ficaram doentes independentemente da gravidade da doença. Todos os índices são superiores ao patamar de 50% exigido pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

As autoridades no setor de saúde no Brasil estão em concordância quanto a eficácia do imunizante em prevenir as diferentes intensidades da infecção, de muito leve, em que nenhuma assistência é necessária, a grave, em que o paciente precisa ser hospitalizado ou internado em UTI.

Do que alguns brasileiros têm medo?

Há uma teoria da conspiração que assola vários brasileiros, segundo a qual o novo Coronavírus se desenvolveu em laboratório chinês, e, portanto, alguns não acreditam na validade da vacina. Algumas pessoas também não acreditam no desenvolvimento rápido e eficiente do imunizante, visto que no passado se demorava mais tempo. Tem ainda quem, por ideologia, ainda não acredita sequer na importância da prevenção da doença, e que, por isso, não busca cumprir os protocolos de segurança orientados pela Organização Mundial de Saúde. Há uma discussão quanto ao percentual de eficácia obtido que não seria acima de 50% ou o entendimento equivocado sobre o que significa esse percentual. Há também desconfiança nos canais de comunicação, que podem ser manipulados por interesses econômicos ou políticos particulares.

É verdade que muitos canais de comunicação influenciam a opinião das pessoas, e, também, é verdade que alguns manipulam, de acordo com os seus próprios interesses. Lamento saber que o nosso país (Brasil) chegou nessa condição. No entanto, hoje há evidências claras de que não houve um plano diabólico da China e que os testes passam por várias etapas antes da aprovação. Sabe-se, inclusive, que o desenvolvimento desses imunizantes tem sido mais rápido, porque houve um esforço mundial em massa, porque as tecnologias estão mais avançadas do que em pandemias anteriores e pelo trabalho de parceria entre instituições acadêmicas e empresas privadas.

O percentual de eficácia de 50,38% da CoronaVac significa que reduz pela metade os adoecimentos por coronavírus em qualquer intensidade da doença. Apesar da eficácia bem menor do que outras vacinas – a da Pfizer, por exemplo, chegou a 95%, ela é, segundo os especialistas, uma opção mais segura que não se vacinar, por exemplo. De todo modo, mesmo após as pessoas serem vacinadas é importante que os protocolos de higiene aprendidos sejam aculturados e tornados rotinas para que se possa evitar a manifestação não apenas de Covid-19, mas outros vírus e variantes.

O que muitos brasileiros desejam?

À medida que os números de casos de contaminados foi aumentando no Brasil, vertiginosamente, eles passaram a ter nomes. Inúmeras famílias não puderam se despedir de seus entes queridos após a internação no hospital. Essas pessoas ficaram isoladas sem qualquer contato.

A contaminação traz, em muitos casos não contabilizados, um desfecho traumático que pode vir a matar os diretamente afetados e aflige toda uma população que se coloca em estado de vulnerabilidade emocional. As doenças mentais e psicológicas decorrentes de um tratamento ineficaz para o doente, mas também para os familiares, e toda uma sociedade, não são medidas, talvez nunca sejam. O medo se instala na população que ou se isola, ou sai com medo de ser contaminado, ou se distancia de um problema real e coloca em risco a sua própria vida e de outras pessoas. Qual seria para você a melhor escolha: tomar ou não a vacina?!

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

العربيةEnglishFrançaisDeutschItaliano日本語Basa JawaPortuguêsРусскийEspañol