Você “resiste” às mudanças?

 

Anos atrás, em uma das minhas formações em Coaching, tive a oportunidade de ouvir da professora Eliana Dutra que “toda pessoa nasce com cabeça, tronco, membros e resistência“. Ela falou isso para introduzir uma aula sobre o Ciclo da Mudança e quão difícil é passar por todas as seis etapas, que seriam: 1) Indícios; 2) Reconhecimento; 3) Ação Inicial; 4) Implementação; 5) Assimilação e 6) Estabilização.

 

Mudar é um processo difícil, principalmente porque requer um olhar para si mesmo muito profundo. A nossa tendência é olhar para fora e não para as nossas próprias dificuldades, por isso o Coaching é tão importante.

Segundo Rick Maurer,

A resistência protege as pessoas de danos. Se eu for um esquiador principiante, é a resistência que me impede de levar o teleférico até o topo da Bodycast Mountain. Em uma organização, a resistência me impede de dizer ‘sim’ a uma tarefa que, acredito, vai matar minha carreira.

Rick Maurer acredita que essa prática ocorre por um extinto da sobrevivência e de manter a “estabilidade”. Por outro lado, o profissional que decide “deixar como está” e evita se confrontar com as mudanças necessárias, comete o erro de se omitir ao invés de lidar com o processo e a transformação que se tornam, cada vez mais, inevitáveis, em tempos tão turbulentos.

No workshop “Mindset de Sucesso”, inspirado em algumas publicações, entre elas as pesquisas de Carol Dweck, trabalho a mudança do perfil de resistência aos desafios. É importante que o profissional, na verdade, estude e busque novas oportunidades para o seu amadurecimento, pois isso vai treinar o seu cérebro e garantir maior abertura à aprendizagem e ao alcance de um sucesso integral.

Muitos profissionais se escondem na negação; no jogo de faz de conta que concorda, mas sem atuar para fazer as correções necessárias; na manipulação para desviar o olhar do problema; na crítica ao outro; na postura de distanciamento do obstáculo. E você, o que faz quando está resistente às mudanças?

Também é muito comum que “todos” queiram mudanças, mas, na prática, desejam a mudança externa, a mudança do outro. Esperam o contexto mudar para que eles mudem, quando o melhor seria focar em mudar a nós mesmos e nos tornarmos, cada vez mais, co-líderes e agentes da transformação não só nas empresas, mas também no contexto sócio-cultural.

Quer se aprofundar sobre o tema? Leia também a publicação do Rick MaurerIntroduction to change without migraines (em inglês).

Deseja trabalhar melhor suas competências para desenvolver o seu mindset? Veja mais informações sobre o próximo workshop que acontece em 10 de novembro: Mindset de Sucesso. 

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

العربيةEnglishFrançaisDeutschItaliano日本語Basa JawaPortuguêsРусскийEspañol