Ser Mãe

por Ana Maria Freitas Coelho

É sonhar com o filho desde o princípio.
É imaginar como um dia ele(a) será e amá-lo…
É pensar as melhores coisas do mundo para essa pessoa que ainda virá, mas já existe no imaginário das mulheres…
Sim…das mulheres…
Porque a maternidade é algo que já nasce com a mulher.
Ser mãe é acompanhar a barriga e o corpo mudando;
É acariciar e cantar para essa pequena pessoa que está por vir…
É sonhar com uma família feliz…
Ser mãe é idealizar muitas vezes.
É quando criamos as mais belas paisagens e lugares onde queremos um dia passear com os filhos…
E aí começa a história real…
Nem sempre tudo começa como imaginamos,mas os amamos mesmo assim…
Noa alegramos, às vezes ficamos tristes e frustradas,pois os filhos crescem e não ficarão sempre no ninho, juntinho com os pais.
Ao adolescer, já começam a voar e sonhar os próprios sonhos,
Pois é preciso crescer…
Andar com as próprias pernas…
A mãe já nãe é mais tão necessária…
Já existe uma pessoa com uma personalidade, identidade, com um jeito especial de ser que às vezes fere os pais…fere essa mãe que sonhou tantas coisas…
Para ser mãe de um adolescente,
É preciso lidar com as perdas, “perdas necessárias”,pois a criança já não é mais a mesma, seu corpo, seu comportamento e a sua forma de relacionar-se com os pais mudou…
A criança cresceu , é preciso um novo olhar e um outro comportamento das mães, dos pais…
Aquele menino ou menina estão começando a alçar um vôo para a vida adulta .
Para alcançar a maturidade é preciso deixar pai e mãe e andar com as próprias pernas. Na bíblia sagrada fala que para ser homem, é preciso deixar para trás todas as coisas de menino.
Crescer dói… mas é necessário fazer esse ritual de passagem.
Muitas sensações são vividas pelas mães: ciúmes, o vazio e a tristeza de não tê-los sempre por perto…
Mãe,é preciso enfrentar esse momento, chegou a hora do “ ninho vazio”.
É preciso aceitar que os filhos irão fazer suas escolhas profissionais e afetivas e irão partir para ter o seu próprio ninho e seguir o caminho que os pais ensinaram e um dia fizeram.
Agora, os pais passam a ser o porto seguro, ficará o exemplo de uma história familiar vivida. Por isso, deixe uma marca positiva na sua história.
Diga o quanto você ama seu filho(a). Que o admira e que ele(a) será um(a) vencedor(a).
O porto seguro é o lugar que eles podem recorrer quando precisarem.
O lugar do aconchego, do colo, do abraço e do consolo na hora do choro.
Prepare-se, chegou a hora .
Mãe , saiba que você fez o melhor que pode, não se culpe, nem chore o leite derramado.O que passou, passou.
Agora faço uma pergunta para você mãe:
Voce sonhou um projeto de vida além de ser mãe?
Pense agora: Voce existe, e nunca é tarde para recomeçar…

De: Ana Maria Freitas Coelho (Psicóloga CRP 01/ 9425, mestre em Saúde mental, terapeuta de famílias, casais e grupos).
Uma homenagem para as mães e para aquelas pessoas que mesmo não sendo mães biológicas, cuidam de pessoas e de projetos humanos, como se filhos fossem.

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *