Espanha em festa

Com uma área de 504.030 km², a Espanha é um país rico em história e cultura. Do Norte ao Sul, recebeu influência dos países vizinhos e geograficamente é a ponte entre o continente europeu e a cultura africana. Seu povo abriga características diferentes dependendo da região onde habitam, o que faz da Espanha um local cheio de curiosidades e atrações tanto folclóricas como altamente cosmopolitas, mundialmente conhecida por sua beleza, gastronomia ou arte provocantes e provocativas.

O turismo encantador vai além das belas praias; inclui uma lista de lugares desde arte rupestre até centros históricos, paisagens naturais, jardins e monumentos. Diante de sua especificidade, a Espanha é o segundo país do mundo com maior número de lugares declarados Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

As pessoas na Espanha amam celebrações e festivais, os quais estão extremamente arraigados em sua cultura, sejam eles religiosos ou civis; e envolvem comidas, bebidas e dança: traços típicos de sua cultura.

A gastronomia artística agrada o mundo com seus tapas, cozidos, tortillas e paellas, pelo vinho de mesa e sangria; pela paixão no preparo, que a consagrou como cozinha internacional. O azeite de oliva espanhol está entre aqueles mais comercializados do mundo.

As touradas, fazem parte da identidade de numerosas festas populares, e o flamenco, dança e música típicas do Sul do país, caracterizadas por guitarras, letras expressivas, mulheres rodopiando e batendo castanholas em longos e coloridos vestidos. A música flamenca teve sua origem em comunidades ciganas, mais precisamente na Andaluzia, e provavelmente recebeu influência da música árabe. No entanto, há contribuição musical de grandes centros como Madri e Barcelona para música contemporânea nas áreas pop, rock, hip hop e até heavy metal. As notas de alcance internacional, são dadas, principalmente, por compositores de estatura mundial, como Enrique Granados, Isaac Albéniz, Manuel de Falla e Joaquín Rodrigo e cantores de ópera como Placido Domingo e José Carreras.

A arte conta com pintores de fama mundial desde o barroco, como Francisco Goya e Diego Velásquez e no século XX, como Salvador Dalí, Joan Miró e Pablo Picasso. Na literatura, a Espanha também tem papel de destaque: Miguel de Cervantes Saavedra, romancista, dramaturgo e poeta, escritor de Dom Quixote, o segundo livro mais traduzido no mundo depois da Bíblia; e Camilo José Cela, prêmio nobel de literatura em 1998. A arquitetura moderna do catalão Antoni Gaudi marca o país em cores cheias de expressão, imaginação sem limites, intensidade projetada para criar formas totalmente novas.

Nas artes cênicas, Pedro Almodóvar Caballero, rouba a cena de muitas estrelas. O cineasta, ator e argumentista foi o primeiro espanhol a ser indicado ao Óscar de melhor diretor e ganhou o prêmio de Melhor Roteiro Original, em 2003, com o filme “Fale com Ela” (Hable con Ella, Espanha, 2002). Em 2000 ele havia ganhado o prêmio de Melhor Filme Estrangeiro por “Tudo Sobre Minha Mãe”. A originalidade, extravagância e ousadia de Pedro Almodóvar tem ainda forte componente autobiográfico – ”Toda minha vida está em meus filmes”, ele já revelou. O drama da incomunicabilidade da qual nenhuma relação amorosa consegue escapar, presente em “Fale com Ela”, o qual diferencia fortemente os filmes anteriores, aborda o universo masculino, feito de sentimentos como solidão, desamparo e renúncia amorosa.

Em cena de grande repercussão – e não só no Brasil – Caetano Veloso ao cantar Cucurrucucu Paloma, numa festa a que estão presentes muitos dos amigos e das atrizes prediletas do diretor, faz Marco, personagem interpretado pelo ator Darío Grandinetti, chegar às lágrimas.

Almodóvar, aliás, conta que o roteiro de “Fale com Ela” foi escrito no quarto de Moreno Veloso, no Rio de Janeiro e que, portanto, sua inspiração principal foi a MPB. Além de Caetano, a trilha sonora conta com um dueto de Tom Jobim e Elis Regina em Por Toda Minha Vida.

Ontem a Espanha venceu a Copa do Mundo de 2010 e ganhou a primeira colocação de forma inédita. Além de tantas histórias, em uma final contra a Holanda, em um jogo pouco artístico, porém dramático após terem empatado em 0x0 no tempo normal, o gol de Andrés Iniesta veio no segundo tempo da prorrogação, e acrescenta ao país um marco também na história do futebol.

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *