A poesia e o Coaching Transcultural

A poesia é um gênero literário que se caracteriza por ser uma manifestação, por meio de um texto lírico, dos sentimentos, emoções, reflexões e percepções do poeta. Ela expressa a vida, a morte, a solidão do refúgio, a solidão de quem ama e não é amado, o amor correspondido, o amor a Deus e aos Santos, a alegria e a dureza da vida.

A poesia é um elemento transcultural e reflete a sensibilidade de cada cultura, suas crenças, seus valores, sua identidade nacional. Ainda que cada país apresente poetas com estilos diferentes é possível perceber, claramente, as semelhanças entre aqueles que viveram no mesmo país e compartilharam as mesmas questões políticas, econômicas e sociais.

Há estudos que indicam que a poesia pode ter nascido no mundo até antes da própria escrita. Ela foi identificada entre os primeiros registros da maioria das culturas letradas e são importantes elementos para o estudo da história da civilização até os dias atuais.

Nem todas as pessoas são capazes de escrever um artigo, um conto, um romance; mas muitas pessoas usam a poesia para expressar seu amor, seus sonhos e até mesmo liberar-se da raiva. São inúmeros os poetas sem livros publicados, mas que poetizam a vida.

Percebo o poesia como um meio de conectar pessoas, pois ela atua no que é mais sensível a cada um. Ela é uma maneira de criar interações com pessoas da mesma cultura, associar culturas diversas, e, inclusive, perceber a dor de cada nação por meio das inquietações expressas pelos poetas.

No livro “Master Coaches: técnicas e relatos de mestres do coaching”, explico que o

“Coaching Transcultural é um processo de aprendizagem que estimula uma atitude cosmopolita, não apenas tolerante, mas livre de qualquer julgamento, onde cabe questionar expectativas para prevenir contrariedades, visualizando alternativas e soluções viáveis para que seja construída a confiança necessária para atingir metas. Nessa jornada, o coachee desenvolve a maturidade necessária para lidar com a adversidade, superar polarizações emocionais e ampliar suas competências transculturais, contribuindo para a construção de ‘pontes de aprendizado’ que irão aproximá-lo de qualquer outra cultura e povo do mundo”.

Na minha visão, a poesia também facilita a construção de pontes de aprendizado e se lê, ‘as vezes, em uma única estrofe a angústia ou a gratidão de toda uma vida.

Comecei a escrever poemas quando era uma menina. Hoje, alguns poemas que escrevi foram publicados nas mídias sociais ou em antologias poéticas junto com outros autores. Vários outros continuam guardados ou foram perdidos, mas ainda marcam a pessoa que fui e a pessoa que sou. Sei que essa sensibilidade de poetisa me ajuda a escrever poesias, mas também a praticar um tipo de Coaching que toca a alma das pessoas e fortalece suas identidades pessoais e profissionais.

Comentei sobre isso, recentemente, no meu canal no Youtube.

Leia outros posts sobre poesia aqui no blog:

Poesias para Drummond ocupam o Instagram nesse sábado

Valparaíso: uma poesia sem pretensão

Pablo Neruda: metáforas para viver melhor

Quer conhecer mais sobre as obras que publiquei? Acesse a aba Publicações

Share

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

العربيةEnglishFrançaisDeutschItaliano日本語Basa JawaPortuguêsРусскийEspañol