Mark Zuckerberg: o gênio fundador do Facebook

O norte-americano Mark Elliot Zuckerberg poderia ter sido um estudante comum de Harvard, se é que podemos atribuir esse adjetivo para qualquer um de seus alunos. No entanto, além de ser um jovem inteligente, Mark demonstrou algumas características que o levaram a se tornar um grande fenômeno, não apenas no campus da sua universidade como em todo o mundo.

Seu interesse pelo computador começou cedo. Porém, diferente de outros garotos da sua idade, suas motivações iam muito além dos jogos e da troca de mensagens instantâneas com colegas. O desejo de aprender a construir, elaborar, criar e inovar o impulsionavam a se desenvolver e se aprofundar cada vez mais. Ele era capaz de passar horas a fio dedicado aos seus projetos.

Os anos passaram, mas os interesses desse gênio continuaram sendo os mesmos. Focado, disciplinado e perseverante, ele foi ganhando reconhecimento e prestígio internacional.

Mark era ambicioso e, embora tímido, fez conexões importantes com pessoas que o ajudaram a concretizar suas metas. O brasileiro Eduardo Saverin, seu colega em Harvard, por exemplo, contribuiu com investimento financeiro para patrocinar seu projeto mais importante, o Facebook.

Apesar do indiscutível talento de Mark, foram vários os desafios antes, durante e após seu inegável reconhecimento mundial. Além das dificuldades comumente enfrentadas por empreendedores, suas atitudes eram questionadas. Enquanto o site crescia e alcançava um número de usuários cada vez maior, sua reputação era abalada por severas críticas, algumas das quais são confirmadas por ele mesmo. Ainda que Mark tenha cometido vários erros, seja por ingenuidade, imaturidade ou por um caráter frágil, seu empreendedorismo é indiscutível.

Suas competências empreendedoras, mas, principalmente, a determinação e o desejo de permanecer inovador têm mantido esse império social com crescente público. Apesar de tudo que já alcançou, Mark Zuckerberg continua sendo uma pessoa simples, mas um profissional complexo e exigente consigo mesmo. Seu estilo de vida pode até permanecer comum, mas ele jamais será considerado como tal.

Se a história de Mark Zuckerberg inspirou você a se tornar um profissional melhor, reflita sobre as seguintes questões:

Você sabe reconhecer seus talentos?
Tem se mantido focado?
É determinado e disciplinado?
Sabe reconhecer os talentos de seus colegas e colaboradores para formar um time de sucesso?

Leia também:

J.K.Rowling: de uma vida de sombras para um futuro mágico.
Massimo Bottura: o chef que assumiu riscos em prol da inovação.
Noélia Lacerda: de uma busca amorosa para um encontro consigo mesma.
Paul Potts: uma história de superação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *