Qual é o perfil ideal para assumir uma vaga de liderança no exterior?

lider-globalMercadorias cruzam oceanos. Algumas rotas, inclusive, remontam à antiguidade. É importante lembrar que por trás dessas transações estavam pessoas com elevada bravura, capazes de se afastar de seus terrenos conhecidos para desbravarem o mundo, apesar dessa missão ser bastante arriscada.

Ainda hoje, muitos profissionais abandonam sua zona de segurança e aceitam convites para liderarem equipes no exterior. Uma boa dose de coragem os levam a arriscarem suas reputações, tendo em vista que essa experiência é riquíssima, mas exige o desenvolvimento de várias competências.

Muitos perguntariam se existe um perfil ideal para assumir uma vaga no exterior. Eu diria que sim. Várias competências são essenciais para que essa experiência seja bem sucedida. Alguns sugeririam que o mais audacioso e arrojado poderia ser também o mais competente. De fato, esse aspecto pode ser positivo. No entanto, em meu trabalho de pesquisa e de coaching, entendo que o potencial para essa experiência pode existir, mesmo em alguns profissionais, aparentemente tímidos, e até mesmo inseguros. É possível que eles possam enxergar diferentes perspectivas e desenvolver uma postura determinante como líder global por sua clareza, percepção e capacidade de descrever o mundo de forma diferenciada.

Para além dos conhecimentos do segmento de atuação, a postura, seja ela em um executivo extrovertido ou introvertido, é um grande diferencial. Não obstante, essa atitude perante às pessoas não pode ser ensaiada, ela deve ser interiorizada. Um dos pontos que destaco como fundamental é a sensibilidade.  Nesse caso específico, a sensibilidade cultural, ou seja a capacidade de perceber além de si mesmo e enxergar o outro, em sua individualidade.

Quando alguém se arrisca e vive a experiência da expatriação e da liderança global, sem qualquer treinamento, pode adquirir uma atitude sensível e inclusiva, por meio da experiência. A prática ensina. Por outro lado, a verdade é que não somos os mesmos em todos os lugares. O contexto nos provoca a agir de maneiras surpreendentes. A dificuldade em saber lidar com uma situação inesperada pode nos tirar do eixo.

O programa de coaching transcultural facilita o processo de adaptação do executivo, pois amplia sua consciência, faz com que o profissional se depare com seus próprios talentos e desafios, antecipe situações “imprevisíveis” e que reduza as incertezas quanto às inúmeras decisões a serem tomadas.

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *